Em destaque quatro torcedoras brasileiras estão com semblante de atentas ouvindo a narração audiodescritiva pelo fone de ouvido na arquibancada do estádio
Emoção da narração Audiodescritiva
julho 2, 2014
Na foto Jhulia Santos e o guia Fábio Dias está entre dois atletas brasileiros com os guias. Todos os atletas estão com medalhas no pescoço.
Atletas da Urece brilham no Parapan-Americano de Toronto
outubro 10, 2015

“Futebol que não se vê” nas escolas do Rio de Janeiro

Menina vendada com o pé em cima da bola. Próximo dela está mais uma criança.

Em 2014, a Urece desenvolveu o projeto “Futebol que não se vê” com financiamento do programa Football for Hope, para levar o futebol de 5 para escolas públicas e privadas do Rio de Janeiro. O projeto que incluía uma equipe de atletas cegos, visitou mais de 20 escolas e projetos sociais divulgando a modalidade para jogadores com deficiência visual.
O objetivo desta atividade é promover a naturalização e a valorização de pessoas cegas para a sociedade, especialmente para os mais jovens.
Para o presidente da Urece, Anderson Dias, o projeto promove uma mudança importante na base. “O impacto desse tipo de iniciativa é ainda mais forte para os mais novos, as crianças e adolescentes absorvem as diferenças com mais facilidade e crescem adultos mais tolerantes”, disse Dias.

A equipe da Urece está trabalhando para que esse projeto não se limite ao ano de Copa do Mundo. A ideia é que em 2015 e 2016 também possa ser implementado em outras escolas do Rio de Janeiro e até de outros estados.

Confira abaixo algumas imagens das atividades:

1 Comentário

  1. João de Deus Rodrigues Freitas disse:

    gostaria de conhecer mais o projeto

Deixe uma resposta para João de Deus Rodrigues Freitas Cancelar resposta

Curta vocë também a Urece no Facebook!